Asteróide atinge a Terra – Simulação em vídeo.

O que aconteceria se um asteróide de 500km de diâmetro atingisse a Terra?

Asteróide de 500km de diâmtero dirigindo-se para a Terra.

Asteróide de 500km de diâmtero dirigindo-se para a Terra.

Suponhamos que ele atingisse a Terra no Oceano Pacífico.

 

Oceano Pacifico

Destino: Oceano Pacífico

 O impacto arrancaria a crosta terrestre de 10km de espessura e formaria ondas de impacto supersônicas que viajariam pela face da Terra.

 

Descascando a Terra como uma laranja.

Descascando a Terra como uma laranja.

 Destroços seriam ejetados para o espaço, na órbita de baixa altitude da Terra.

 

Destroços ejetados para o espaço.

Destroços ejetados para o espaço.

E retornariam para destruir a superfície terrestre.

 

Destroços voltando do espaço.

Destroços voltando do espaço.

 A tempestade de fogo que seguiria o impacto englobaria toda a Terra, vaporizando toda a vida em seu caminho. Em um único dia, toda a superfície da Terra se torna inabitável.

 

Tempestade de fogo

Tempestade de fogo

As evidências atestam que um impacto dessa magnitude já ocorreu pelo menos 6 vezes na história de nosso planeta.

 

Dia do Juizo Final.

Dia do Juízo Final.

 Se você quiser assistir ao vídeo, clique aqui (4min46s).

(Fonte)

Anúncios

Madeira encontrada em Marte?

Veja só que foto interessante que a NASA inadvertidamente liberou para o público.

Seria isso uma trave de madeira em Marte?

Seria isso uma trave de madeira em Marte?

Não parece com uma trave enorme de madeira? Não tenho certeza se a foto foi tirada do Rover Opportunity ou do orbitador em Marte, de forma que não posso definir com exatidão o tamanho do negócio. Mas que parece ser um pedaço enorme de uma trave de madeira, a isso parece. E se for madeira, parece ter sido levada até ali por uma inundação, que pelas condições climáticas em Marte e pela forma como ela está parcialmente enterrada, deve ter ocorrido há uns 30 ou 40 anos atrás.

Algumas fotos liberadas pelo Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) mostram também formações que nos lembram florestas vistas do alto. Até o presente momento a NASA não divulgou qualquer nota sobre o que seriam essas formações. Se realmente forem árvores, devem ser enormes.

Árvores marcianas?

Árvores marcianas?

Também a NASA não informou o que poderia ser a formação abaixo. Ao que parece, e o bom senso nos leva a essa direção, de que seria um enorme lago cheio de algum tipo de líquido, que bem poderia ser ÁGUA! Se for água, possivelmente estará congelada, pois a temperatura em Marte gira em torno de -46ºC. Se olharmos a foto com mais atenção, poderemos notar que as margens do lago, de um lado e do outro, tem variações em altura. Isso possivelmente se deve ao fato das variações de temperatura ambiente em Marte.

Lago congelado em Marte? Com que liquido?

Lago congelado em Marte? Com que líquido?

Você pode encontrar mais fotos aqui, aqui, aqui e aqui. He, he, he…

(Fonte)

Relógio de outro mundo!

Que tal um relógio feito com poeira da Lua e partes metálicas da Apollo 11? Pois é, se você quiser um pode até ter, mas vai ter que desembolsar cerca de R$900 mil pelo dito cujo! Isso mesmo!

 

Relojoeiro Yvan Arpa posa com um protótipo do relógio Moon Dust-DNA. O seu mostrador foi feito para parecer com a superficie da Lua e é composto de poeira da Lua e partes da Apollo 11

Relojoeiro Yvan Arpa posa com um protótipo do relógio Moon Dust-DNA. O seu mostrador foi feito para parecer com a superfície da Lua e é composto de poeira da Lua e partes da Apollo 11.

O relógio Moon Dust DNA, foi feito por relojoeiros suícos para comemorar os 40 anos da chegada do homem à Lua (20/07/1969). Ele contém partes que foram aproveitadas do foguete Apollo 11 que levou o homem à Lua, bem como poeira da Lua em seu mostrador, o qual imita a superfície da própria Lua. Foram feitas 1.969 unidades do relógio para comemorar o ano em que Neil Armstrong deu os primeiros passos do homem na Lua. O relógio, em breve, deverá se tornar peça de colecionadores.

O corpo de aço do relógio foi feito com peças da Apollo 11. A pulseira foi feita com fibras de trajes espaciais usados na Estação Espacial Internacional e o mostrador foi feito com poeira de verdade da Lua. A empresa produtora do relógio garante que tudo é certificado como original, de forma que a NASA deva estar envolvida nesse projeto.

 

O relógio marca o 40º aniversário Neil Armstrong tornar-se o primeiro homem a caminhar na superficie da Lua durante a missão Apollo 11.

O relógio marca o 40º aniversário Neil Armstrong tornar-se o primeiro homem a caminhar na superfície da Lua durante a missão Apollo 11.

Se você estiver interessado em adquirir um exemplar e para maiores informações (em inglês), clique aqui.

O tamanho do Universo e nós.

Quando eu era criança, gostava de ficar no quintal de casa olhando o céu noturno. Como moro em uma cidade pequena, ainda não existem fortes luzes que possam ofuscar a visão do céu.

 

Galáxia Sombrero

Galáxia Sombrero - Foto: Hubble

 Eu ficava horas, embevecido, olhando as estrelas. Vez por outra conseguia avistar uma estrela cadente. Ficava ali imaginando como era bonito o céu estrelado, que tamanho ele teria, se existia alguém ali. Eu ficava tão estonteado pela beleza do céu que começava até achar que ele era meu amigo. Chegava a ser íntimo. Na presença do céu eu me sentia parte dele.

 

Hubble

Galáxia Olho Negro - M64 - Foto:Hubble

Então, conforme crescia, fui comprando livros sobre astronomia para ver se eu ficava mais íntimo de meu amigo noturno. Comecei a aprender o nome das estrelas, a reconhecer tipos de constelações, a identificar objetos celestes e manusear telescópios, lunetas e binóculos. Aprendi, aos poucos, que meu amigo era ENORME e que eu não deveria ser tão importante para ele quanto ele era para mim. Me senti cada vez menor perto desse enorme amigo, até que acabei por descobrir que perto dele não sou nada, de tão COLOSSAL que ele é.

 

Hubble

Nebulosa Helix, também chamada "Olho de Deus" - Foto: Hubble

O Daniel Mendes colocou esse vídeo no YouTube. Foram usadas imagens da câmera de espaço ultra profundo do telescópio espacial Hubble. Ele mostra para os não iniciados em astronomia a nossa verdadeira dimensão em relação ao Universo. Muito instrutivo. Vale a pena dar uma olhada.

ET capturado em vídeo

Você já deve ter se perguntado se alguma vez filmaram um ET. Afinal de contas são tantas pessoas que dizem ter visto que não seria possível se alguém não tivesse filmado um.
Olha isso aí embaixo, é um frame de um vídeo que achei na net. Esse ET, para os iniciados, é um da espécie Gray (cinza) – O Grays são do time do mal.

ET da espécie Gray. Bunitin né?

ET da espécie Gray. Bunitin né?

Se você não acreditar, pelo menos vale pela musiquinha sinistra.
O vídeo é esse aí embaixo. Pegue a pipoca e boa diversão.

Clique aqui para ver o vídeo.

Fonte

Tirando água do ar. Só falta tirar de pedra agora!

 

Um aparelho que “faz” água do ar pode se tornar a maior invenção caseira de todos os tempos desde o microondas.

Daily Mail

Seguro: equipamento que usa a mesma tecnologia de desumidificadores estará à venda no próximo ano. Foto: Daily Mail

Usando a mesma tecnologia que um desumidificador, o Water Mill é capaz de crier um suprimento de água pronta para beber capturando-a de uma fonte ilimitada: o ar.

A companhia que produz o equipamento diz que não somente está oferecendo uma alternativa para as águas minerais engarrafadas dos países desenvolvidos, mas uma solução para milhões de pessoas no mundo que têm o seu suprimento diário de água racionado.

O equipamento funciona absorvendo o ara úmido através de um filtro e sobre um elemento refrigerador que condensa a umidade em gotas de água. O aparelho, por enquanto, pode produzir 12 litros de água potável por dia

O Water Mill também poderá gerar mais água durante o período de tempestades, uma vez que a umidade no ar aumenta nesses períodos. Para se tornar um aparelho ecológico, ele consome o mesmo que três lâmpadas econômicas.

O inventor Jonathan Ritchey disse: ‘A demanda por água está crescendo muito. As pessoas estão procurando livrar-se de sistemas de distribuição que são falhos e incertos.’

O equipamento, que tem aproximadamente 90cm de comprimento, deverá custar cerca de R$2.800,00 na Europa, com seu lançamento previsto para março/2009.

Seu fabricante, a firma canadense Element Four, estima que um litro de água produzido custe cerca de R$0,60, mas obviamente que com o desenvolvimento da tecnologia e barateamento dos custos de produção, esse valor deverá cair.

Máquina para fazer água do ar. Funcionamento

Máquina para fazer água do ar. Funcionamento

Os ambientalistas dizem que metade da população mundial sofrerá falta de acesso à água potável por causa das mudanças climáticas por volta de 2080. Uma em cada 5 pessoas não terá acesso a uma fonte segura de água.

O equipamento Water Mill não funciona bem em áreas com umidade relativa do ar abaixo de 30%, mas com uma média de umidade relativa no Brasil de mais de 70%, parece que não haverá problemas por aqui.

(Fonte)

Escolha sua catástrofe

Uma colisão devastadora com outro planeta; um super vulcão que matou 60% da população do mundo e uma Era do Gelo de 25 milhões de anos de duração. Nosso planeta já enfrentou muitas catástrofes… qual será a próxima?

A Terra tem estado sujeita a alguns eventos apocalípticos em seus 4,5 bilhões de anos de história: vulcões, meteoros. fogo e gelo quase impediram a  vida e ameaçaram a própria existência da Terra.

Diz o apresentador Tony Robinson do Channel 4 inglês: por exemplo, enquanto não foram trazidas rochas da Lua pelo Projeto Apollo, nós nem sequer podíamos imaginar que a Terra e a Lua eram feitas do mesmo material.

“Pensávamos que a Lua era um satélite capturado pela gravitação da Terra, mas os cientistas recentemente descobriram que logo após a Terra ter se formado, um planetóide chamado de Theia, se esmagou contra a Terra e dos destroços formaram a Lua”.

Colisão de Terra com um planetóide - Assim se formou a Lua, dizem os cientistas

Colisão de Terra com um planetóide - Assim se formou a Lua, dizem os cientistas

“Então obtivemos uma lua, que começou a estabilizar a Terra. Antes disso, nós tínhamos mares de 300 metros de altura e, depois da colisão, a Lua estava 10 vezes mais próxima do que agora. À medida em que ela se afastou, nós aumentamos nosso dia de 6 horas para de 24 horas.”

“Um dos meus episódios favoritos é sobre os dinossauros” diz Robinson. “Tem havido muitas teorias de como eles desapareceram – incluindo radiação, envenenamento ou mesmo frio comum – mas os cientistas acabaram de descobrir em Montana, nos Estados Unidos a “camada de extinção dos dinossauros”, que é uma faixa da cor de chocolate contendo milhões de ossos”.

“Por 30 anos, nós acreditamos que a Terra tinha sido atingida por um asteróide gigante que criou um aquecimento global e matou os dinossauros, mas até então os cientistas não tinham achado nenhuma evidência disso. Ninguém imaginou que durante milhões de anos depois do impacto, qualquer prova estaria coberta por camadas de rocha”

“Agora eles também acharam essa enorme cratera na península de Yucatán no México, bem fundo no subsolo. É a prova pela qual eles estavam procurando”

Aqui vemos alguns desastres que já atingiram a terra desde sua formação – e pergunte se eles poderiam acontecer novamente.

UMA NUVEM TÓXICA SOBRE A EUROPA

Em 1783, em Laki, Islândia, ocorreu uma erupção vulcânica, espalhando gás e lava por 8 meses, cobrindo uma área de 350km2 de rochas derretidas.

A erupção de Laki produziu uma quantidade enorme de dióxido de enxofre, queimando os olhos das pessoas, arrancando a pele de rebanhos e matando plantas.

 

Laki, na Islândia. Explosão no Séc. XVIII matou muitos europeus.

Laki, na Islândia. Explosão no Séc. XVIII matou muitos europeus.

 

A erupção enviou uma gigantesca nuvem tóxica sobre a Europa Ocidental. – foi a maior catástrofe natural que atingiu a Inglaterra, com chuva ácida, nevoeiro e clima severo, continuando sobre o país por meses.

A nuvem assassina de Laki matou cerca de 23 mil ingleses. E pode ser que aconteça novamente – a Islândia tem 18 vulcões que estão ativos nos últimos séculos, a maior concentração de vulcões de qualquer lugar do planeta.

Nuvens de cinzas, gás e ácido sulfúrico podem cair novamente sobre a Europa.

UM TSUNAMI TODO DIA

As marés na Terra há 4 bilhões de anos atrás eram mil vezes mais altas do que hoje, viajando a uma velocidade de 450 km por hora e atingindo bem longe adentro da linha costeira, causando muito mais danos ao longo de seu caminho – a destruição causada era equivalente ao tsunami de 2004, isso a cada poucas horas.

Cada maré revirava milhões de toneladas de escombros. Quando ela se retraía, deixava uma linha costeira devastada. O jovem planeta Terra estava sendo devorado por seus oceanos – e para nós eram boas notícias porque o que as marés retiravam dos continentes ela dava para os mares, criando um ambiente perfeito para o surgimento da vida.

4 tsunamis por dia! 4 bilhões de anos atrás.

4 tsunamis por dia! 4 bilhões de anos atrás.

As gigantescas marés, causadas devido a Lua estar tão perto da Terra 4 bilhões de anos atrás, retirava minerais e nutrientes da terra e os misturava dentro dos oceanos – criando uma sopa primordial

Os cientistas acham que as interações químicas naquela sopa criaram as primeiras proteínas básicas – das quais toda a vida na terra eventualmente emergiu.

Ainda bem que tal desastre dificilmente irá repetir novamente porque a Lua está vagarosamente se afastando da Terra e ficando menor.

UMA NOVA ERA DO GELO

Nosso planeta passa por uma Era do Gelo – uma redução de temperatura de longa duração na superfície da Terra formando extensos campos de gelo ao redor dos hemisférios norte e sul – a cada 100 mil anos aproximadamente.

A cerca de 650 milhões de anos atrás, entretanto, o planeta inteiro congelou. As temperaturas despencaram e camadas de gelo de 3km de espessura se espalharam dos pólos encapsulando o todo o planeta – e permaneceu assim por cerca de 25 milhões de anos.

Os cientistas acreditam que foi devido à falta de dióxido de carbono na atmosfera. Se o nível de CO2 aumenta muito, o planeta fica muito quente, se há pouco, ele esfria.

Uma era do gelo de 25 milhões de anos. Quem vai vender geldeira?

Uma era do gelo de 25 milhões de anos. Quem vai vender geldeira?

Hoje, animais e plantas na terra ajudam a controlar a quantidade de CO2 na atmosfera, mas a 650 milhões de anos atrás, as únicas coisas vivas na Terra eram bactérias vivendo nos oceanos, que retiravam CO2 da atmosfera.

Havia mais uma catástrofe na corrente. O gelo reflete 85% da luz solar que o atinge, os oceanos refletem menos de 10%. Quanto mais gelo se formava, menos oceano era exposto, de forma que menos luz solar era absorvida para aquecer o planeta.

O planeta foi lacrado em uma sepultura de gelo. Organismos unicelulares tiveram que se adaptar ou morrer. Foi uma série de erupções vulcânicas que salvaram a Terra, com bilhões de toneladas de lava e cinzas quebrando a camada de gelo, tornando a Era do Gelo em uma Era de Fogo.

ERUPÇÃO DE UM SUPER VULCÃO

Os cientistas crêem que a mais provável erupção de um super vulcão será no Parque Nacional do Yellowstone, no estado de Wyoming, EUA.

Embaixo do solo do parque está uma enorme câmara de lava derretida, logo abaixo da crosta terrestre – 25km de comprimento por 50km de largura e 8km de profundidade. É cerca de 500 vezes o tamanho da cidade e Londres.

A caldeira do Yellowstone – uma forma vulcânica como um caldeirão formado por um colapso de terra após a erupção de um vulcão – tem crescido 8cm por ano desde 2004. Os cientistas crêem que isto é um sinal de uma erupção iminente.

Embora o super vulcão do Yellowstone não tenha produzido qualquer erupção nos últimos 70 mil anos, ele ainda está ativo e a maioria dos experts acredita que ele irá entrar em erupção no futuro. Se vai ser uma erupção moderada (comparável ao Monte Sta. Helena no estado de Washington, EUA, em 1980, quando cinzas vulcânicas atingiram 11 estados americanos), ou uma mais catastrófica, é impossível de prever.

Yellowstone - Será o fim do mundo?

Yellowstone - Será o fim do mundo?

A última grande erupção em Yellowstone foi 640 mil anos atrás. Erupções similares têm acontecido de forma regular nos últimos 2 milhões de anos, então poderia se dizer que a próxima já está atrasada.

Uma erupão similar do super vulcão Toba na Indonésia, 75 mil anos atrás, acredita-se que tenha matado 60% dos habitants da Terra. Naquela ocasião, o vulcão Toba ejetou 3 vezes mais material do que o de Yellowstone 640 mil anos atrás.

Entretanto, a caldeira do Yellowstone pode fazer muito pior – e fez, 2,2 milhões de anos atrás quando explodiu, produzindo o que é ainda a maior e mais violenta erupção vulcânica de todos os tempos.

(Fonte)