Incríveis cemitérios de objetos

Com a produção em massa de objetos de uso, passando o tempo muitos dos objetos vão se tornando obsoletos rapidamente, e, consequentemente, os dispomos no lixo, trocando por mais novos. E isso vale para todos os tipos de objetos, tendo em vista que a nova religião institucionalizada do consumismo nos urge a assim agir. E quanto a grandes objetos, tais como navios, aviões e outras coisinhas como essas? Para onde vão?

Segue abaixo alguns dos cemitérios mais inusitados que existem.

1 – Cemitério de aeronaves (Arizona, Estados Unidos)

aircraftO Cemitério de Aviões da Força Aérea Americana situa-se perto da Base da Força Aérea de Davis Monthan, em Tucson, no Arizona. Para quem não conhecia, é algo incrível de se ver. É difícil de se compreender o tamanho do “Cemitério”. O número de aviões ali estocado e a precisão como estão organizados é impressionante. Uma coisa importante de se frisar é que todos eles são capazes de retornar à ativa se uma necessidade aparecer. Tanto o Museu quanto o “Cemitério” são atrações muito populares no deserto do Arizona. 

2 – Cemitério de Trens (Uyuni, Bolívia)

trainsNo sudoeste da Bolívia, fica um lugar onde parece que todas as cansadas e antigas locomotivas do país se reuniram na imensidão para dar seu último suspiro. Este gigantesco Cemitério de Trens – completamente lotado de carcaças ocas e esqueléticas de velhas locomotivas a muito tempo esquecidas – está situado à beira do deserto no altiplano dos Andes, a 3.670m de altitude, perto de um pequeno estreposto Uyuni.

3 – Cemitério de navios (Nouadhibou, Mauritânia)

ship2

A cidade de Nouadhibou é a segunda maior cidade da Mauritânia, e o local de um dos maiores Cemitério de Barcos e Navios do mundo. Centenas de navios e barcos enferrujados podem ser vistos por todos os lados, tanto no mar quanto na praia.

Esse fenômeno teve início nos anos de 1980, com a nacionalização da indústria pesqueira da Mauritânia. Assim, numeroso barcos pesqueiros que não davam retorno econômico, simplesmente foram abandonados lá. Os proprietários de navios e barcos estrangeiros, mais tarde, descobriram ser muito conveniente livrar-se de seus antigos barcos naquela baía.

4 – Cemitério de tanques soviéticos (Kabul, Afeganistão)

tanksNos arredores de Kabul, capital do Afeganistão, existe uma enorme coleção de veículos de batalha soviéticos abandonados e deixados para trás depois de uma gigantesca falha na ocupação militar do país nos anos de 1970 e 1980. Os soviéticos deixaram o país rapidamente e não se importaram em encontrar uma maneira de levar seus veículos quebrados paara casa. Assim, eles se encontram meio destrinchados e grafitados atualmente. O Governo Afegão tem poucas unidades de reciclagem, de forma que este Cemitério de Tanques permanecerá onde está por muitos anos como uma lembrança da invasão russa.

5 – Cemitério das Âncoras (Ilha Tavira, Portugal)

anchorEntre as dunas da ilha Tavira, Portugal, há uma impressionante coleção de âncoras no local denominado Cemitério das Âncoras. Foi construído em memória da gloriosa tradição da pesca de atum com armações de rede, fixadas com essas âncoras, uma técnica pesqueira inventada pelos fenícios. A ilha de Tavira foi um local dedicado à pesca de atum. Eles construíram esse cemitèrio de âncoras para aqueles que tiveram de desistir de sua profissão quando os grandes peixes deixaram aquela região.

6 – Cemitério de máquinas automáticas (Tamamura, Gunma-ken, Japão)

vendingLocalizado em Tamamura, Gunma-ken, Japão, este Cemitério de Máquinas Automáticas nos lembra do problema ambiental que elas são, tendo em vista a enorme quantidade de energia gasta para mantê-las acesas, geladas ou quentes, 24 horas por dia.

7 – Cemitério da Guerra (Asmara, Eritreia)

trucksEm Asmara, uma importante cidade da Eritreia, existe um enorme Cemitério de restos de tanques militares, veículos blindados e outras relíquias da guerra, capturados pelo exército da Eritreia ou deixados para trás pelos Dergue da Etiópia enquanto estavam evacuando.

“Nós mantemos este local como uma lembrança”, diz Peter do Departamento de Turismo. Caminhamos pela massa de veículos, tanques e pentes de munição vazios, a maior parte de origem russa. Em um país comum, este seria o paraíso dos comerciantes de ferro-velho, mas na Eritreia, os destroços permanecem como um símbolo de orgulho e vitória sobre a Etiópia.

8 – Cemitério de carros soviéticos (Rússia)

sovietcar

Este é o Cemitério de Carros Soviéticos. A maior parte desses carros são muito difícieis de se ver nas ruas da Rússia atualmente e foram objeto de desejo para algumas gerações soviéticas atrás, uma vez que quase todos eram privados do direito de ter um carro. Agora eles permanecem lá como um monumento silencioso da distante era soviética e seu estilo de vida. Talvez em alguns desses carros Stálin ou Brejnev tenham dirigido pelas ruas de Moscou.

Fonte: Oddee

Anúncios

O homem mais velho do mundo

 

Li Ching-Yun. Imagem da República Popular da China

Li Ching-Yun. Imagem da República Popular da China

Os obituários da Time Magazine e do New York Times de 1933 informaram que Li Ching-Yun tinha sido viúvo de 23 esposas e que tinha tido 180 descendentes na época em que morreu, com 256 anos de idade!

Seria ele assim tão velho mesmo? Poderia ele ter esquecido seu próprio aniversário ou exagerado em sua idade? 

Os segredos de uma vida interminável

“Mantenha um coração sereno, sente-se como uma tartaruga, caminhe vivazmente como um pombo e durma como um cachorro”. Essas foram as palavras de conselho que Li deu a Wu Pei-fu, um senhor feudal que o levou para sua casa para aprender os segredos de uma vida extremamente longa.

De 0 a 256 anos

Surpreendentemente, não é conhecida muita coisa sobre o começo da vida de Li Ching-Yun. Sabemos que ele nasceu na província de Szechwan, na China, mesmo local onde faleceu. Também sabemos que por volta de seu 10º aniversário, ele aprendeu a ler e viajou para Kansu, Shansi, Tibet, Annam, Siam e Mandchúria colhendo ervas. Depois disso, os dados ficam um pouco confusos…

Aparentemente, por cerca de 100 anos, Li continuou vendendo suas próprias ervas e posteriormente, começou a vender ervas coletadas por outros. Ele também (de acordo com a Times), tinha unhas de 15cm em sua mão direita.

Você pode estar imaginando que ele, por volta dessa idade, deveria parecer decrépito, enrrugado, parecido com um couro velho e arrepiado, entretanto fontes daquela época estavam assombradas com a sua juventude. Isso seria suspeito? Seria Li Ching-Yun tão velho quanto dizia ser ou seria o seu aniversário um erro de registros ou um exagero?

Vamos dar uma olhada nos dois lados…

As nove vidas de Li Ching-Yun

Ele mesmo admitiu que teria nascido em 1736 e que viveu 197 anos. Entretanto, em 1930, um professor e reitor na Universidade Mikuo chamado Wu Chung-chien, encontrou anotações “provando” que Li tinha nascido em 1677. As anotações, aparentemente, mostravam que o Governo Imperial Chinês o havia congratulado por seu 150º e 200º aniversários.

Então a pergunta seria: teria ele esquecido seu próprio aniversário? Seria ele o mesmo Ching Li-Yun?

Olhando para isso por uma perspectiva médica e documentada: Jeanne Louise Calment, uma francesa que morreu em 1997 de longe mantém o título da pessoa que mais viveu sobre a Terra – 122 anos. O que já é uma fenomenal extensão de tempo.

Isso significa que, se as anotações descobertas por Wu Chung-chien estiverem corretas, a idade de Li Ching-Yun ultrapassa o recorde oficial em mais de 130 anos. Isso seria, dentro da medicina, possível?

O detalhe, que parece ao mesmo tempo provar e desmentir os argumentos é a aparência jovem de Li, notada em um artigo de 1928 do New York Times. Visualmente e fisicamente ele parecia ser um típico ancião de 60 anos de idade.  Isso significaria um corpo super humano capaz de suportar um quarto de milênio ou seria a história de Li Ching-Yun baseada numa série de meias-verdades, mentiras e exageros?

Infelizmente, jamais saberemos. Você mesmo pode tirar suas próprias conclusões lógicas.

Fonte: Environmental Graffiti

Ônibus espacial de blocos Lego

Incrivelmente detalhado, 2 malucos por bloquinhos de Lego resolveram fazer uma base de lançamento para o ônibus espacial da NASA.

Completaram a maquete com luzes e até autofalantes que fazem a contagem regressiva para o lançamento. A criação em bloquinhos faz de tudo, menos, é claro, lançar o ônibus espacial!

Base de lançamento Lego: réplica do ônibus espacial que levou mais de mil horas para ser completada.

Base de lançamento Lego: réplica do ônibus espacial que levou mais de mil horas para ser completada.

Os dois japas, criadores da réplica, gastaram 1.590 horas de trabalho árduo e 65 mil tijolinhos de Lego para fazerem a obra. Ela está, atualmente, exposta no Parque de Diversões Nasu Highlands, que fica na cidade de Nasu, província de Tochigi, no Japão.

Atenção aos detalhes: o ônibus espacial faz tudo, menos voar.

Atenção aos detalhes: o ônibus espacial faz tudo, menos voar.

E a dupla que criou a réplica não pára por aí: eles estão planejando fazer a torre mais alta do mundo com bloquinhos de Lego.

Me pergunto: será que eles não têm outra coisa para fazer na vida? Isso dá dinheiro?

Fonte: Daily Mail